16 abril 2012

Eu gostaria que tu soubesse (tradução)

Hoje, ao acordar na cama, descobri que tua alma já não aquece mais nosso reino de apenas um par de noites. Nenhum sorriso para acalmar o meu ser, nem tampouco aquelas palavras sussurradas que chamavam a mim para junto de ti. Estúpido, como eu fui um estúpido! Agora penso que poderia ter guardado silêncio e ficado totalmente vulnerável para que tu pudesses me sequestrar de uma vida que nem mesmo eu soube como viver. Na noite de ontem, era tua voz que meu corpo reconhecia e entendia como a senha correta para um livre acesso teu. Tua boca no meu ouvido, pedindo que te olhasse enquanto eu fechava os olhos. Sim, eu sei que te quis evitar para que o pensamento de te ter não se tornasse algo cotidiano. Não gostava de sonhar que podería te ter se te ter não era por toda uma vida. Te queria como o pássaro quer a liberdade. Te precisava como a lua precisa das estrelas para manter-se iluminada. Te amava como os apaixonados de um filme com final feliz.
É tarde demais até mesmo para pensar em um retorno. Não quero maltratar meus sentimentos uma vez mais, e creio que você não quer se maltratar com a ideia de que poderia um dia ver a mim como teu futuro. A realidade é que já não encaixamo-nos mais porque somos peças de quebra-cabeças diferentes. Aprendemos com o tempo que aquelas noites foram apenas um pouco daquilo que nunca deveria ter existido. Provar-te foi meu pior erro, pois hoje ainda te desejo. E quem sabe por quanto mais? Não, não. Que difícil é deixar escapar por tuas mãos o mesmo que um dia foi teu. Já te segurei tão forte que imaginei que nunca mais te soltaria. Contudo, hoje, o que tenho de ti é somente o que guardei para o caso de perder-te. E, sim, eu te perdi. Resta saber por quanto tempo ainda terei este estoque de você.
Dói, meu amor. Não ver-te me dói. Mas eu gostaria que tu soubesse que fostes a maior parte de tudo o que eu já quis ter. Tu foi a lança que golpeou a mim, o alvo distraído. Mas, por mais forte que seja o disparo, sempre a lança cai. E é inegável não lembrar que a lança deixa um grande buraco no alvo. Por conseguinte, eu gostaria que tu soubesse que não, já não te amo exatamente como amei. Te quero por umas noites outra vez, sim, certamente. Mas agora, deitado nesta cama, imaginando como seria se ainda estivesses aqui, preenche-me a certeza de que somos melhores amantes do que apaixonados. Então, agora que tu se foi, perdoa-me por não ter abraçado teu corpo aquela noite. Eu gostaria que tu soubesse que desejo beijar-te uma vez mais. A última.

Um comentário:

  1. sempre me identifico com seus textos, sempre lindos!

    ResponderExcluir